segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

A experiência de visita ao Museu

Título: A experiência de visita ao museu: visitas aos museus: expectativas e percepções, a experiência de consumo e factores críticos de satisfação
Autor: Matos, Joana Isabel Barreiro Alves de
Orientador: Vale, Rita Miguel Ramos Dias Coelho do
Data: Mar-2009
Editora: Instituto Superior de Economia e Gestão
Citação: Matos, Joana Isabel Barreiro Alves de. 2009. "A experiência de visita ao museu: visitas aos museus: expectativas e percepções, a experiência de consumo e factores críticos de satisfação". Dissertação de Mestrado. Universidade Técnica de Lisboa. Instituto Superior de Economia e Gestão.
Resumo: Este estudo vem analisar a necessidade de aplicação do marketing aos museus, analisando e identificando um conjunto de factores críticos de satisfação e de experiência de visita. A experiência de visita aos museus analisada de acordo com as expectativas e percepções dos visitantes revela algumas oportunidades de gestão dos museus do ponto de vista da aplicação do marketing. Numa época em que as actividades de marketing cada vez mais condicionam e influenciam a resposta dos consumidores, é de extrema relevância que também instituições que habitualmente não seguem uma óptica puramente comercial comecem a utilizar estratégias de marketing para captarem o interesse dos consumidores. Neste estudo foram analisados um conjunto de factores tipicamente considerados críticos em serviços, como a tangibilidade, a fiabilidade, a compreensibilidade, a confiança e a empatia, bem como novos factores inovadores, dos quais se destacam as políticas de preços, as novas tecnologias, factores ambientais (infra-estrutura, o tamanho do museu), e actividades culturais e sociais. Através da análise de impacto na visita foi possível verificar que a empatia é o factor que mais contribui para a satisfação dos visitantes embora curiosamente não seja o mais importante em termos de expectativas. Os visitantes esperam poder confiar no serviço do museu, valorizam o seu ambiente, a política de preços onde se incluem as campanhas, e a gratuitidade das entradas. Ao fazermos análises separadas para participantes do sexo masculino e feminino, apercebemo-nos ainda que a nostalgia é um factor relevante para as mulheres mas insignificante para os homens. Os resultados mostram também que os factores identificados neste estudo permitem medir a satisfação, e que esta explica a lealdade, isto é, a intenção de repetição da visita. Finalmente, ao analisarmos a probabilidade de recomendação da visita identificámos que esta está condicionada conjuntamente pela satisfação experimentada e pelo nível de lealdade. A satisfação é um factor mediador e, por essa razão, só através dela é que é possível a lealdade explicar também a recomendação ("word-of-mouth"). Este estudo permitiu também encontrar diferenças na satisfação dos visitantes em função do seu género, bem como detectar diferenças entre a realidade dos museus nacionais e estrangeiros. As novas tecnologias contribuem para a satisfação dos visitantes no contexto dos museus estrangeiros, o que leva a crer que este aspecto possa constituir uma melhoria nos museus nacionais. Finalmente, este estudo veio realçar a importância da valorização da experiência de visita aos museus, contribuindo para a identificação de alguns factores inovadores para esta realidade.
Descrição: Mestrado em Marketing
URI: http://hdl.handle.net/10400.5/718
Aparece nas colecções: DG - Teses de Mestrado
BISEG - Teses de Mestrado

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Acção de sensibilização em Design Inclusivo

OBJECTIVOS
- Reflectir sobre a dimensão ética do design inclusivo enquanto processo dirigido para a melhoria da qualidade de vida, considerando conceitos como: diversidade humana; envelhecimento; deficiência; sustentabilidade e exclusão social.
- Identificar oportunidades de projecto/negócio associadas às tendências demográficas e culturais relacionadas com o envelhecimento da população e com e valorização da diversidade humana.

DESTINATÁRIOS
- Profissionais de diferentes áreas com intervenção no património edificado, estudantes e docentes do Ensino Superior, técnicos das áreas dos transportes e das TIC.

CONTEÚDOS
1. Enquadramento social do design inclusivo.
1.1. Conceitos de homem ideal, de homem médio e de diversidade humana.
1.2. Dados demográficos e económicos que suportam a necessidade do design inclusivo.
1.3. Conceitos de deficiência, incapacidade e de desvantagem.
1.4. Modelos e preconceitos sobre a diversidade humana.
1.5. O Modelo Gap como forma de interpretação da exclusão pelo meio.
2. Diferentes abordagens ao design inclusivo.
2.1. Ética e responsabilidade social da profissão de designer.
2.2. Acessibilidade – Identificação de barreiras e definição de mínimos.
2.3. O conceito de design universal.
2.4. Os sete princípios do design universal.
2.5. O conceito de design inclusivo.
3. Desenho inclusivo e as TIC – A rede EDeAN
4. Estudos de caso
3.1. A dimensão funcional e simbólica no desenvolvimento de produtos inclusivos.
3.2. O design inclusivo enquanto factor de inovação.
3.3. O design inclusivo enquanto factor de sucesso económico.

METODOLOGIAS DE ENSINO / APRENDIZAGEM
O desenvolvimento dos trabalhos assentará:
1. Em momentos de exposição de conteúdos seguidos por períodos de debate com o grupo.
2. Em exercícios práticos em pequeno grupo que permitam aprofundar os conteúdos apresentados e sua apresentação e debate com a totalidade do grupo.
3. Em momentos de reflexão e debate entre pares sobre a aplicabilidade dos conhecimentos propostos às realidades específicas dos participantes

LOCAL
Auditório da sede do INR, IP
Av. Conde Valbom, 63, 1069 – 178 Lisboa

DATA/HORÁRIO
21 de Dezembro –9h30 às 13h00 – 14h00 às 17h30

PROGRAMA
9h30 – 13h00 – Enquadramento social do design inclusivo e diferentes abordagens ao design inclusivo.
13h00 – 14h00 – Almoço
14h00 – 17h30 – Desenho inclusivo e as TIC – A rede EDeAN e estudos de caso

FORMADORES
Doutor Renato Bispo
Dr. Carlos Pereira

CONTACTOS
Manuela Branco
manuela.s.branco@seg-social.pt
Tel. 21 792 95 00
Fax: 21 792 95 09
Catarina Pereira
catarina.pereira@seg-social.pt
Tel. 21 792 95 00
Fax: 21 792 95 09

MuMa realiza acção de formação - "Braille, acessibilidades e orientação em museus para deficientes visuais"


A MuMa-Rede de Museus de Matosinhos irá arrancar o ano de 2010 com a realização da acção de formação/sensiblização "Braille, acessibilidades e orientação em museus para deficientes visuais".

Esta iniciativa terá lugar no dia 4 de Janeiro (10h-12h), no Centro Municipal Joaquim Neves dos Santos (Rua Conde Alto Mearim, 385, 1º, Matosinhos) no âmbito do Dia Mundial do Braille.

A acção, orientada por técnicos da ACAPO (Associação dos Cegos e Amblíopes de Portugal), visa dar a conhecer as potencialidades do sistema de leitura Braille para invisuais nos museus, assim como abordar a problemática das barreiras arquitectónicas e respectivas soluções. Será também uma oportunidade para os participantes aprenderem dicas sobre como receber e orientar deficientes visuais nos espaços museológicos.

As inscrições são gratuitas e deverão ser feitas até dia 30/12 para os seguintes mails (muma@cm-matosinhos.pt/luis.soares@cm-matosinhos.pt).

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Mensagem da Presidente da ENAT - European Network for Accessible Tourism


President's Message
Lilian Müller, ENAT President
Enabling access to tourism is our priority. First, some facts and figures. As a population we're both ageing rapidly and travelling more: older people who still want and are able to travel will soon make up 25% of the European population. Add to this the 50 million people with disabilities in Europe who want to holiday with family and friends, and we find that as many as 130 million people in Europe alone will benefit from improved access to travel and tourism services. Accessible tourism is not a niche market; it's a demographic explosion and we will all feel the effects. We have to improve access now.

Everyone in the tourism industry will know by now that people with access needs expect – and have the right to expect – the same services and opportunities as everyone else: independent travel, accessible facilities, trained staff, reliable information and inclusive marketing. Accessible tourism benefits everyone. More individuals enjoy the opportunity to travel; the tourism industry gets more visitors, longer seasons and new incomes. Society as a whole benefits from new job opportunities, more tax revenue and an accessible environment for both inhabitants and visitors.

The demand for accessible tourism, in its wide conception of tourism for all, is growing. It's now an opportunity rather than an obligation. If the tourism industry wants to maintain and develop quality, sustainability and competitiveness, it must support and develop tourism accessible for all.

ENAT, the European Network for Accessible Tourism, aims to meet these challenges. As an international network originally set up in 2006 by nine sponsor organisations with EU support, we aim to help make European tourism destinations, products and services accessible to all. We bring together all actors in the tourism sector – private, public and NGOs – to share experiences, learn from each other and collaborate in joint projects and partnerships.

We support the development and spread of good policies and practices as a means of raising awareness, knowledge and expertise on accessibility issues in European tourism.

We are a platform for all those who support accessibility in tourism, and a strong representative voice in European towards national institutions and organisations whose actions have a direct influence on the tourism sector.

ENAT started as a European Network, but we welcome members from all over the world to share in our activities and collaborate with our European members. We have only just begun our work but we have our sights clearly set on the path ahead and on the ultimate destination: accessible tourism for all.

Lilian Müller is President of ENAT and Manager of 'Tourism for All in Sweden'.


Fonte: ENAT

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Comemoração dos 200 Anos de Louis Braille no Museu da Ciência


Braille, 200 anos

3 a 13 de Dezembro

O dia 3 de Dezembro é, desde 1998, o "Dia Internacional das Pessoas com Deficiência".
Trata-se de uma data comemorativa internacional promovida pelas Nações Unidas, com o objectivo de promover uma maior compreensão dos assuntos relacionados com a deficiência.
Para assinalar esta data, que ocorre no ano em que se celebram os 200 anos do nascimento de Louis Braille (1809-1852), o Museu da Ciência promove diversas iniciativas numa semana dedicada às pessoas invisuais, seus familiares, professores e educadores, mas também ao público em geral.


3 de Dezembro | 15h00

APRESENTAÇÃO DE UM TRADUTOR DE TEXTO COM ANOTAÇÕES MATEMÁTICAS PARA BRAILLE TÉCNICO
Miguel Filgueiras, Universidade do Porto
MATERIAIS INTERACTIVOS DE MATEMÁTICA PARA INVISUAIS
Manuel Arala Chaves e Ana Cristina Oliveira, Associação Atractor
No intuito de facilitar a produção de textos em Braille por parte de quem não conhece essa notação foi desenvolvido um programa que traduz textos com anotações matemáticas para Braille. Nesta sessão serão descritos o modo de usar o programa, as suas limitações e possíveis melhorias a introduzir.


A Associação Atractor - Matemática Interactiva planeou e construiu materiais interactivos de matemática para serem utilizados por alunos invisuais nas escolas e também por visitantes invisuais de exposições de matemática e adaptou outros, já existentes para alunos de visão normal.
Entre estes últimos, referimos alguns jogos frequentemente usados no Ensino Básico / Secundário, como o Jogo do 24 ou dominós de fracções e de geometria - que foram adaptados, por forma a poderem ser usados simultaneamente por alunos invisuais e alunos não invisuais.
Foi ainda criado material que permite veicular ideias sobre os diferentes tipos de simetria (translações, rotações, reflexões, ...) e sobre a sua utilização na classificação dos frisos e padrões.


10 de Dezembro | 17h00

APRENDER A EDUCAR CÃES-GUIAS PARA CEGOS
João Pedro Fonseca, Associação Beira Aguieira de Apoio ao Deficiente Visual
Um cão-guia para cegos é geralmente um labrador de raça retriever, educado durante dois anos para conduzir o seu dono em segurança nas suas deslocações. Ele evita que o seu dono choque com obstáculos, ajuda-o a encontrar a entrada dos locais onde pretende dirigir-se, procura um multibanco ou um telefone público, encontra a passadeira para peões e até impede que pise poças de água e excrementos de outros animais.
Nesta sessão, que conta com a presença de um cão guia, vamos aprender como se faz a sua educação e como cada um de nós pode participar directamente nessa formação.


13 de Dezembro | 11h00

DESCOBRE COMO É VER COM AS MÃOS
Manuel Arala Chaves e Ana Cristina Oliveira, Associação Atractor
Ana Cristina Abreu, Luís Barata e Lucília Vicente, Apoio Técnico-Pedagógico a Estudantes Deficientes (ATPED)
Sessão integrada no Programa Ciência em Família
Já alguma vez tentaste identificar um objecto apenas pelo tacto, sem usares a visão? Será que consegues distinguir só pelo toque um quadrado de um triângulo, um hexágono de um octógono, um ovo de uma esfera? E será que consegues distinguir só pelo tacto uma esferográfica de uma pen-drive, um baton de uma caneta de feltro? Uma pinha de um búzio? E será que consegues identificar padrões e simetrias se não puderes olhar para eles? Sabes o que é o alfabeto braille? Sabes como se escreve o teu nome em braille?
Nesta sessão serão ainda apresentados diversos materiais didácticos e jogos matemáticos que podem ser usados simultaneamente por visuais como invisuais.


3 a 13 de Dezembro

VER COM AS MÃOS - OBJECTOS DE HISTÓRIA NATURAL
Vem identificar objectos de história natural pelo tacto e descobre a relação que existe entre eles. Se souberes Braille a tarefa vai ser facilitada pois cada objecto tem uma legenda em relevo e um curto texto em Braille.

Revista Museologia.pt (nº3) e Museus e Património Imaterial: agentes, fronteiras, identidades.















Revista Museologia.pt n.º 3 e Museus e Património Imaterial Lançamento no Museu Nacional de Arte Antiga | 10 de Dezembro | 18h00

Hoje, 10 de Dezembro, terá lugar o lançamento das novas edições do IMC: Revista Museologia.pt (n.º 3) e Museus e Património Imaterial: agentes, fronteiras, identidades.
A sessão será presidida pelo Prof. Doutor João Carlos Brigola, Director do IMC, e terá lugar no Auditório do MNAA, pelas 18h00.
A apresentação pública das obras será efectuada, respectivamente, pela Prof. Doutora Natália Correia Guedes e pela Prof. Doutora Maria Cardeira da Silva (FCSH / UNL).

A sessão contará com a presença do Dr. Paulo M. Ramos, Presidente do Conselho de Administração da Softlimits, S.A., entidade responsável pela co-edição de Museus e Património Imaterial.

Constituindo o periódico de referência a nível nacional para a área da Museologia, o novo número da Revista Museologia.pt tem como tema central o dossiê “Museus e Inovação Tecnológica”.
O volume inclui ainda as rubricas “Projectos e Experiências”, “Exposições”, “História e Memórias” e “Internacional”, contando com a colaboração de 30 autores.

A edição "Museus e Património Imaterial. Agentes | Fronteiras | Identidades" inclui, por sua vez, um Volume de actas do Ciclo de seis Colóquios realizados pelo IMC em 2008 dedicados ao referido tema.
Amplamente ilustrado, o volume conta com textos de 33 autores, nas áreas da Museologia, Antropologia, Economia Agrária e Sociologia Rural, Etnomusicologia, Direito e Património.

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Conferência "Os Direitos das Pessoas com Deficiência e as boas prácticas em Intervenção Precoce"


Conferência "Os Direitos das Pessoas com Deficiência e as boas práticas em Intervenção Precoce"
10/12/2009
Das 15h00 às 18h00
Auditório 3
Entrada livre

Os resultados do estudo aprofundado realizado no âmbito do projecto-piloto "Intervenção Precoce - Construção de Boas Práticas" vão ser apresentados numa conferência que terá lugar no Auditório 3 da Fundação Calouste Gulbenkian, a 10 de Dezembro, pelas 15h00.

O projecto-piloto "Intervenção Precoce - Construção de Boas Práticas" acompanhou, entre 2005 e 2008, cerca de cem crianças de idade inferior a seis anos com problemas de desenvolvimento, com o objectivo de desenvolver a sua autonomia.

Simultaneamente, houve um trabalho de capacitação junto das famílias daquelas crianças, para que pudessem assumir plenamente o seu papel na educação dos seus filhos e no apoio ao seu desenvolvimento.

Este projecto deu origem a um estudo mais aprofundado, que permitiu compilar algumas práticas recomendáveis em Intervenção Precoce, adaptadas à realidade portuguesa.

Programa:
Moderador: Daniel Sampaio, Faculdade de Medicina de Lisboa
"A Convenção dos Direitos das Pessoas com Deficiência"
Alexandra Pimenta, Presidente do Instituto Nacional de Reabilitação
Hywel Ceri Jones, Co-presidente do Consorcio Europeu de Fundações para os Direitos das Pessoas com Deficiência

"Repensar a Deficiência no Século XXI"
Don Bailey, RTI - Research Triangle Institute
"Intervenção Precoce - o Processo de construção de boas práticas: resultados do projecto apoiado pela Fundação Calouste Gulbenkian"
Joaquim Gronita, Universidade Aberta

A importância da avaliação de programas para a promoção da qualidade da prestação de serviços: o estudo avaliativo do projecto
Júlia Serpa Pimentel, Insituto Superior de Psicologia Aplicada

Para mais informações contactar: pgdh@gulbenkian.pt

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

IME Pre-Conference Workshop: "Re-Presenting Disability" by Dr. Richard Sandell



Quem quiser também pode consultar o livro:
Re-Presenting Disability
Richard Sandell, Jocelyn Dodd, Rosemarie Garland-Thomson
Routledge
ISBN: 978-0-415-49473-1
£23,99

Turismo acessível do ponto de vista das pessoas deficientes auditivas



Para ler as conclusões clique aqui!

Profissionais de turismo aprendem língua gestual

Interagir com a comunidade surda, conhecendo sua cultura, eliminar estereótipos sobre o tema e facilitar a comunicação entre profissionais do turismo, surdos e deficientes auditivos. Esses são alguns dos temas propostos no curso básico de Libras (Língua Brasileira de Sinais), por iniciativa da Setur (Secretaria de Turismo), que começou ontem (segunda 03), com duas turmas, que assistiram a aulas inaugurais no Santuário de Santo Antônio do Valongo, no Centro Histórico, e no Aquário, na Ponta da Praia. Hoje (terça 04), das 19h às 21h, a terceira turma inicia o curso na sede da CSS (Congregação Santista de Surdos), entidade coordenadora das aulas, localizada na Rua Tocantins, 4, no Gonzaga.

Com 50 alunos inscritos, o curso é direcionado a recepcionistas bilíngues, monitoras do programa ‘Vovô Sabe Tudo’, da Seas (Secretaria de Assistência Social), e guias de turismo da Setur, além de profissionais autônomos. A carga horária é de quatro horas semanais, com encerramento previsto em dezembro.

Weslei da Silva Rocha, instrutor de Libras e professor da Seduc (Secretaria de Educação), ressalta a importância de estabelecer melhor reciprocidade na comunicação. No caso dos profissionais do ‘trade’, que mantém contato com pessoas de diversos países, o contato é realizado por meio de expressões faciais, corporais e mímicas, incorporados à língua de sinais, facilitando a comunicação entre surdos de diferentes nações. “Cada país tem seu idioma, com variações linguísticas”, afirma Rocha.

Mônica Tintore de Araújo, instrutora da CSS, explica alguns conceitos que julga importante para melhor compreensão da sociedade sobre o tema: “Na comunidade surda, fazemos uma diferenciação entre deficientes auditivos e surdos. Normalmente os primeiros são os indivíduos que perderam a audição, que não participam da comunidade surda, rejeitando aspectos culturais. Eles, por exemplo, rejeitam o uso das Libras, sendo que ela é um idioma, com aspectos linguísticos como gramática e morfologia”, disse.

A responsável da Seform (Seção de Formação Técnica dos Profissionais de Turismo), Maria Leopoldina do Patrocínio e Silva, afirmou já ter notado um aumento da demanda por parte do público com deficiências: “Temos constatado maior presença dessas pessoas fazendo turismo. A Lei de Acessibilidade determina o acesso a vários benefícios, como, por exemplo, o direito ao lazer”, afirmou.

A guia de turismo da Setur, Carina Souza, considerou proveitosa a aula inaugural: “O curso é importante para estabelecer melhor comunicação com os surdos. Já aprendi a utilizar algumas expressões de cumprimento, assim como dizer meu nome”, declarou. Já a recepcionista bilíngue Vanessa Almeida afirmou que estava realizando um antigo projeto: “Sempre tive interesse nesse curso, pois acredito que é uma boa maneira de fazer com que esse público se sinta incluído e bem-vindo à cidade”.

Fonte: Associação de Surdos de São Paulo

Surdos têm guia especial no Museu Nacional de Arte Romana de Mérida



O novo serviço de "sinais-guias" para surdos do Museu Nacional de Arte Romana de Mérida, na Espanha, assegura a acessibilidade às coleções de suas instalações a mais de um milhão de pessoas surdas

Plano de acção para a integração das pessoas com deficiências ou incapacidades

Para aceder ao Plano de acção para a integração das pessoas com deficiências ou incapacidades, clique aqui!

Conteúdos:
1. Uma nova concepção de deficiência
2. Enquadramento internacional
3. Situação e desafios do sistema de integração das pessoas com deficiências ou incapacidade
4. Uma estratégia nacional para o sistema de integração das pessoas com deficiências ou incapacidade
5. Intervenção e estratégias para a qualidade de vida
6. Condições para a intervenção e execução do plano

A Empregabilidade das Pessoas com Deficiência - Novas Estratégias de Actuação


(clique na imagem para ampliar)

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Convite para jantar de comemoração dos 15 anos do Espaço T


Ex.mos /as Senhores/as,
O Espaço t – Associação para Apoio à Integração social e Comunitária, é uma Instituição particular de solidariedade social, tutelada pelo Ministério da Saúde que promove a integração de um grupo muito heterogéneo de pessoas, utilizando a arte como processo de terapia.

Fundado em 1994, o Espaço t desenvolve o seu trabalho em três áreas distintas (área Social, Cultural e de Formação) cujo objectivo principal é a integração de pessoas com problemas através da arte, de forma a fomentar a auto-estima e auto-conceito de cada uma destas pessoas.

Ao longo deste período o Espaço t tem visto o seu trabalho reconhecido, pela atribuição de prémios, atribuição em 2006, do Prémio Igualdade é Qualidade, atribuída pela Comissão para a Igualdade no Trabalho e Emprego, sendo de destacar, em 2007 a nomeação pela Fundação Calouste Gulbenkian para o prémio internacional Raymond Georis Price:The Mercator Found e a atribuição em 2008, do 3º. Prémio Hospital do Futuro, na Categoria de Serviço Social, entre outros.

No ano em que celebra 15 anos de existência, sob o mote “Somos a Fada que Transforma Homens Em “Príncipes” e a Bola de Neve onde Ideias se transformam em Projectos de Sonho, a convite do Hotel Infante Sagres, estamos a organizar um Jantar comemorativo de aniversário, no próximo dia 4 de Dezembro, no Hotel Infante Sagres.

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Inclusão – Um desafio entre o Ideal e o Real


(Clique na imagem para ampliar)

Espectáculo de Dança | Plural Núcleo de Dança Contemporânea - Companhia de Dança Inclusiva | 4 DEZ | 21h30 | CCB



Um qualquer... é o novo espectáculo do Plural | Núcleo de Dança Contemporânea/ Companhia de Dança Inclusiva.

Resultado de uma parceria artística entre a Fundação LIGA e Escola Superior de Dança, este novo projecto é coreografado por Andreia Roque, Francisca Pinto e Mariana Pimentel. Explorar a fisicalidade, a presença e as relações entre os corpos foram os elementos impulsionadores deste processo. A criação de uma unidade através da expressão e das especificidades individuais foi um objectivo constante. A narrativa constrói-se a partir de objectos pessoais e de relações possíveis que vão surgindo ao longo do trabalho, o qual é uma partilha constante de histórias e momentos presentes em qualquer um de nós.

Sinopse
Por entre o que vejo estamos nós.
O que queres? Qualquer um que quer dar qualquer coisa.
Eu quero qualquer coisa...
Eu quero qualquer...
Eu quero...
Eu...descobri.
Coisas que tocam, que juntam, que sentem, que enchem, que explodem, que voltam, que começam.

Coreografia Andreia Roque, Francisca Pinto e Mariana Pimentel
Intérpretes Andreia Roque, Fernando Delgado, Francisca Pinto, Frederico Augusto, Mariana Pimentel, Miguel André Aguiar e Rita Pino
Desenho de Luz e Direcção Técnica Carlos Ramos
Fotografia Gonçalo Ribeiro
Consultoria Artística Carla Ribeiro e Francisco Pedro
Investigadora Sara Anjo
Coordenação Geral Cristina Passos

+ info» www.fundacaoliga.pt
Tel. 213 616 922

Preço | 10 €

Compre aqui o seu bilhete:
http://www.ccb.pt/sites/ccb/pt-PT/Programacao/Danca/Pages/Danca.aspx#12
ou na Fundação LIGA e Escola Superior de Dança

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

O Sistema Braille: passado e futuro de um instrumento essencial

Seminário | Auditório da BNP | 02 Dezembro | 09h30 | Entrada livre

Seminário integrado nas comemorações dos 200 Anos do Nascimento de Louis Braille, celebrando o 40º aniversário da Área de Leitura para Deficientes Visuais da BNP e os 35 Anos de publicação da revista “Ponto e Som”.

PROGRAMA
09h30 - Recepção dos participantes

10h00 - SESSÃO DE ABERTURA

10h30 - LOUIS BRAILLE: O HOMEM E A OBRA

Moderador: representante do Instituto Nacional para a Reabilitação

• Louis Braille: o génio que supera o analfabetismo dos deficientes visuais
Augusto Deodato Guerreiro (CML) / Fernando Abreu Matos

• O Braille como meio natural de escrita e leitura para os deficientes visuais
Claudino Arieira Pinto (BNP)

• 40 anos ao serviço da promoção do Sistema Braille e outros meios complementares de acesso à leitura dos deficientes visuais
Isidro E. Rodrigues (BNP)

• A marca indelével do espírito tifloassociativo na afirmação da escrita e leitura Braille e no desenvolvimento de serviços de acesso às espécies bibliográficas destinadas às pessoas com deficiência visual
Carlos Lopes (ACAPO)

12h30 - Debate

13h00 - Intervalo para Almoço

14h30 - O SISTEMA BRAILLE NA ACTUALIDADE E NO FUTURO
Moderador: representante do Ministério da Educação

• A importância do Sistema Braille na educação das pessoas cegas
Vítor Rapoula Reino (Ministério da Educação, DREL)

• O Braille e as Tecnologias de Informação e Comunicação
Carlos Manuel dos Santos Ferreira

• Uma língua, uma grafia Braille: a importância da uniformização da grafia Braille nos países de expressão portuguesa
José Guerra (Câmara Municipal de Coimbra)

• O Braille na vida quotidiana
Ana Maria Fontes

• Domínio do sistema Braille como componente relevante na integração dos deficientes visuais em profissões de teor intelectual
Victor Calha / Carlos Jorge Barata Gonçalves

16h30 Pausa para café

17h00 Debate

17h30 SESSÃO DE ENCERRAMENTO


Organização
Área de Leitura para Deficientes Visuais da Biblioteca Nacional de Portugal, Instituto Nacional para a Reabilitação, Casa da Cultura da Câmara Municipal de Coimbra, Gabinete de Dinamização Cultural da Direcção Municipal de Cultura da Câmara Municipal de Lisboa e Direcção Regional de Lisboa do Ministério da Educação.

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Olhos Vendados - Esculturas em papel machê - Adriana Rizkallah

Uma Experiência Tátil

A exposição individual da artista plástica faz homenagem aos 200 anos de nascimento de Louis Braille, criador do Sistema Braille - código de leitura para os deficientes visuais. O Departamento Filatélico dos Correios lançará na abertura da exposição, no próximo 5 de novembro, o Selo Comemorativo ao Bicentenário de Braille, em Cerimonial, com a participação da ADEVA, Associação dos Deficientes Visuais e Amigos.

O ponto de contato entre a obra da artista plástica Adriana Rizkallah e o método desenvolvido por Louis Braille, que propiciou a leitura aos deficientes visuais, é o papel. Some-se a ele a experiência tátil e sensorial. O papel é uma das matérias-primas do elemento com que a artista desenvolve suas esculturas e objetos, dando-lhes tanto o cerne quanto a textura, também a sugestão ao tato da mensagem que as obras enviam a quem com elas interage. No Sistema Braille, o papel recebe também texturas que podem ser relevo ou perfuração, como esculturas que transmitem o que se quer revelar na possibilidade de leitura para quem vê o mundo por um olhar que não pode passar pelos olhos.

A exposição OLHOS VENDADOS é mais que uma mostra de arte, é uma proposta de experiência tátil e sensorial, de pura beleza para quem enxerga com os olhos e, especialmente, para aqueles que enxergam através de um outro tipo de olhar. O trabalho de Adriana divide-se em concreto e em orgânico. O concreto que se transforma visualmente em aço, pedra, mármore, cerâmica, sem contudo perder a leveza - o monolítico dos primórdios em que as primeiras escritas foram cravadas. O orgânico revela a vida que pulsa no seu trabalho. As peças orgânicas reagem ao sol e à umidade, alterando autonomamente sua forma e textura:
a sensação do toque agora será outro, momentos mais tarde.

Sua obra transforma o espaço, fixando-se no chão, no teto, e em suportes, cria caminhos para um passeio tátil visual e sensorial. Depois, as esculturas orgânicas e concretas se fixam nas paredes, possibilitando a exploração do “olhar” através dos sentidos. Outra vertente do trabalho de Adriana são as esferas, sugerindo globos oculares, com orifícios para que o expectador explore a obra por meio de uma vivência tátil e lúdica. Ainda, uma quarta vertente constroe “livros”, fazendo referência ao Sistema Braille, estimulando o prazer pela leitura com as mãos.

OLHOS VENDADOS é uma experiência forte em que a realidade lúdica se aplica aos sentidos através de uma identidade abstrata e de intensa emotividade. Os símbolos são grandes círculos, vazados, esferas que imitam a órbita ocular - a bola que roda para qualquer lugar como uma grande pupila, enxergando tudo ao redor, a refração da luz que irrompe e atende à visão não como atividade, mas como a libido, de olhar e ser olhado pelo toque das mãos, conferindo o desejo pelo objeto, pelas cores e pela vida.

A exposição OLHOS VENDADOS abre com Cerimonial do departamento Filatélico dos Correios para o lançamento do Selo do Bicentenário de Louis Braille. Quatro personalidades convidadas receberão o selo em estojo de couro que será marcado com o carimbo de prata. O Selo Comemorativo ficará disponível ao público em todas as agências dos Correios do país.

A exposição aliada ao lançamento do Selo Louis Braille marca uma data de grande importância para os deficientes visuais. Para o diretor-presidente da ADEVA, Associação dos Deficientes Visuais e Amigos, Markiano Charan Filho, “a importância dessa exposição, associada ao lançamento do Selo Comemorativo Louis Braille, é que o tato é um sentido vital para as pessoas com deficiência visual. É por meio do toque ou do tato que o cego participa da evolução do mundo.
Já o selo tem grande importância, pois marca o bicentenário de nascimento de alguém que pode ser considerado um gênio. Louis Braille tirou as pessoas cegas da escuridão da ignorância e da segregação social”, diz.

A exposição OLHOS VENDADOS será aberta no próximo 5 de novembro e vai até 30 de novembro de 2009, no Casarão Brasil, à rua Frei Caneca, nº 1.057, próximo à estação Consolação do Metrô, em São Paulo - Capital. O horário de visita é de segunda-feira a sábado, das 10h às 18h, com entrada gratuita. Informações no fone (11) 3171-3739.

Artista Plástica: ADRIANA RIZKALLAH - contato:
adrianarizkallah@uol.com.br. Site: http://www.adrianarizkallah.com.br/

Curadoria do evento: Robert Richard, presidente da ABAPC - Associação Brasileira dos Artistas Plásticos e de Colagem. Contato:
aapc@aapc.com.br.

ADEVA - Associação dos Deficientes Visuais e Amigos - contato: Casarão Brasil – contato@casarãobrasil.com.br.

Fonte: Ler Para Ver

Nokia cria serviço de SMS para cegos



A Nokia desenvolveu um novo serviço de SMS em Braille para pessoas com dificuldades visuais. A tecnologia destina-se aos telemóveis com ecrã táctil da fabricante.Criado pelos Nokia Labs, o serviço consiste num leitor de SMS que consegue traduzir os textos escritos para Braille.

Dado que não é possível criar um texto em Braille directamente no ecrã do telemóvel, este serviço funciona através de vibrações que indicam ao utilizador qual é o caracter da mensagem.

Uma das diferenças em relação a outros serviços semelhantes, criados para outros dispositivos que lêem a mensagem em voz alta, é o facto de este ser silencioso, o que pode ser útil para manter a privacidade do SMS, caso esta seja inconveniente num determinado local.



O aplicativo pode ser descarregado em Nokia Beta Labs

Fonte: Jornal Sol

Novo site cria rede online com 10 mil museus e galerias


Um site online dedicado à arte contemporânea, Blablart.com, acaba de ser criado para dar acesso a 10 mil museus e galerias de todo o mundo e promover a informação e comunicação na comunidade e o público interessado.
Os fundadores do projecto são três: a jornalista portuguesa Maria Manuel Stocker, a curadora madrilena Helena Tatay e o «web master» catalão Alberto Lucas, que apostaram em construir «um site útil e actual», com informação sobre o sector proveniente de uma centena de países.

Maria Manuel Stoker justificou que esta iniciativa resultou da constatação de que «não havia um único site na internet onde fosse possível visitar o mundo da arte contemporânea na sua globalidade».

«Há muitos sites de arte contemporânea mas estão orientados por zonas geográficas, ou com um grande foco nos dois lados do Atlântico - Londres, Nova Yorque, Paris - ou então concentrados apenas no mercado americano», observou.

Maria Manuel Stocker comentou que «todo o desenvolvimento do mercado da arte contemporânea na Índia, China, Coreia, Japão, Austrália, Brasil e Médio Oriente não tem grande repercusão nos sites existentes, que se concentram em divulgar apenas as grandes galerias internacionais com representação em Deli ou em Pequim». Verificada esta «falha de informação organizada» no sector da arte contemporânea, o grupo procurou soluções que conjugassem simplicidade e, ao mesmo tempo, «um máximo de interactividade entre os utentes e o uso das tecnologias de imagem sofisticadas, dado que a imagem é fundamental na arte».

O grupo decidiu criar o Blablart.com - de acesso gratuito para quem nele se inscreva - que permitisse «a qualquer pessoa visitar as galerias e museus do mundo sem sair do sofá, e com poucos cliques». É dirigido sobretudo a profissionais da arte, galeristas, curadores, artistas, que poderão comunicar entre si dentro da plataforma e dar conhecimento à comunidade global das suas exposições, eventos e obras.

O Blablart é composto por um directório (intitulado «The Art World») com museus e galerias de cerca de uma centena de países, que demorou dois anos a criar. Contém ainda uma rede de comunicação («Who´s On») entre todas as galerias e museus que fazem parte do directório, mas também aberta a artistas, coleccionadores ou qualquer pessoa interessada em arte.

O «Talk Art» está aberto a quem quiser debater a arte contemporânea online, em qualquer línguia, tal com o site, que tem a possibilidade de ler lido em tradução Google em dezenas de idiomas. A primeira página do Blabart tem também uma secção de notícias actualizadas regularmente que cobre galerias, museus, colecções e também artes performatiivas.

Maria Manuel Stocker considera que o sector da arte contemporânea pode beneficiar da forma como o sítio está organizado, «dado o crescimento global do mercado e o interesse também óbvio do público pela cultura».

«O Blablart permite a alguém no sul da Índia visitar os museus do Canadá, as colecções brasileiras ou as galerias de Berlim, sem ter que as procurar uma a uma em sites díspares», exemplificou.

Segundo a jornalista portuguesa, o projecto começou sem financiamento, mas no ano passado a empresa Energies Nouvelles deu um apoio à execução e o site foi concretizado.

Actualmente, o grupo procura patrocínios e publicidade de empresas e serviços desde as energias limpas às seguradoras ou telecomunicações e empresas ligadas ao turismo, «com mais vocação para se anunciarem nas páginas das cidades».

Fonte: Diário Digital / Lusa

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Língua Gestual Portuguesa


Ao contrário do que se possa pensar, a língua gestual é diferente em cada país e mesmo a nível nacional é possível encontrar variações dialectais correspondentes às escolas onde se desenvolveram. Por exemplo, em Portugal existem variações entre Lisboa, Porto, Algarve ou ilhas.

Calcula-se que sejam cerca de 30 mil os falantes nativos de LGP, pessoas com uma surdez mais acentuada que vão para as escolas de surdos, um número que pode ser multiplicado por quatro para obter o total de pessoas que falam esta língua.

A LGP, como outras línguas gestuais do mundo, surgiu a partir do momento em que se registou uma concentração de surdos, normalmente numa escola. A sua origem está ligada à criação da escola Jacob Rodrigues Pereira (da Casa Pia), em 1823.

Em 1998, foram criadas as unidades de apoio a alunos surdos, uma lei clarificada em 2008 quando foi assumida a educação dos surdos como bilingue, com a LGP como primeira língua e a língua portuguesa como segunda, e definido o seu programa curricular.

Mariana Martins, linguista da Unidade de Língua Gestual Portuguesa da Associação Portuguesa de Surdos, explicou que as escolas de referência devem ter formadores de LGP e intérpretes (estes a partir do 5. ano).

Existem dois cursos de LGP ministrados pelas duas associações nacionais, uma em Lisboa e outra no Porto.

Além dos surdos, que naturalmente utilizam a LGP para comunicar, há uma "diversidade imensa de pessoas a procurar os cursos", afirmou a linguísta.

Pais de crianças surdas, professores, estudantes universitários, psicólogos, polícias e enfermeiros procuram a Associação Portuguesa de Surdos para aprender a LGP.

A Associação, acreditada para dar formação nesta área, também responde a solicitações de instituições ou empresas que pretendam um curso de LGP e a especialista refere os exemplos da Loja do Cidadão, Segurança Social, Holmes Place ou El Corte Inglés.

Na lei que assume a educação bilingue dos alunos surdos, é apontada a criação de escolas de referência para este grupo e Mariana Martins especifica que o objectivo é haver "cada vez menos escolas de surdos para que estejam cada vez mais concentrados".

Fonte: SIC Online

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Workshop sobre Interpretação Sensorial

O Museu do Papel Moeda e o Museu D. Diogo de Sousa, no âmbito da semana em que se comemora o Dia Internacional das Pessoas com Deficiência, vão realizar o Workshop sobre Interpretação Sensorial.

Workshop sobre Interpretação Sensorial
Após o sucesso do workshop no Algarve e em Lisboa, a ACAPO pretende realizar mais dois no norte de Portugal ainda este ano. É uma oportunidade de juntar-se com outros profissionais que se interessam pela interpretação sensorial e descobrir o potencial para comunicação que existe do seu museu. De uma maneira prática e participativa, são analisadas as estratégias para criar vivências aos visitantes, sempre respeitando a missão dos museus.
O papel da ACAPO é de apresentar boas práticas e fomentar a troca de experiências e ideias entre profissionais. A sessão inclui trabalho prático de grupo que reflecte a realidade dos museus nacionais.


Datas e locais:
Em Braga no dia 04 de Dezembro no Museu D. Diogo de Sousa, Rua dos Bombeiros Voluntários, 4700-025 Braga;
No Porto no dia 10 de Dezembro no Museu do Papel-Moeda, Av. Da Boavista nº 4245, 4100-140 Porto.

Horário
10h00-17h30 (com pausa livre para almoço)

Formador:
Peter Colwell, técnico de Acessibilidade da ACAPO que colabora regularmente com o IMC e em acções de formação da Rede Portuguesa de Museus.

Inscrições (8-16 participantes):
Sócios cooperantes: 20€
Estudantes: 25€
Outros: 40€

* Contacte a ACAPO para saber como se tornar sócio cooperante.

Dados para Inscrição:
- Nome
- Idade
- Profissão
- Local de trabalho
- Telefone
- E-mail
- (Fotocópia do cartão de estudante ou nº de sócio cooperante da ACAPO)

Os dados para a inscrição, bem como a taxa de inscrição, deverão ser enviados para a respectiva delegação da ACAPO até ao dia 30 de Novembro.

ACAPO Delegação de Braga ACAPO Delegação do Porto
Rua do Matadouro Velho, 51 Rua do Bonfim, 215
4700-035 Braga 4300-069 Porto

braga@acapo.pt porto@acapo.pt
Telefone: 253267766 Telefone: 225899100
Fax: 253267768 Fax: 225105924

Para mais informações sobre os conteúdos do workshop contacte petercolwell@acapo.pt

Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência – Implementação na União Europeia

APD - ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE DEFICIENTES

CONFERÊNCIA EUROPEIA
Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência – Implementação na União Europeia
16 de Novembro de 2009

PROGRAMA PROVISÓRIO

10.00h - Abertura do Secretariado

10.30h - Sessão de Abertura

· Presidente da Assembleia da República

· Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social

· Confederação Nacional dos Organismos dos Deficientes

· Associação Portuguesa de Deficientes


11.00h - Pausa para café

11.30h - Painel A - Ratificação da Convenção - Efeitos nas políticas e instrumentos europeus
Moderador – João José Fernandes - Oikos

• Procuradoria-Geral da República

• Comissão Europeia

• Ordem dos Arquitectos


12.30h - Almoço

15.00h - Painel B - O papel das ONG na monitorização da Convenção
Moderador – Plataforma Portuguesa das ONG
• Centro Regional de Informação das Nações Unidas

• Escritório da OIT em Portugal

• Fórum de Estudos da Educação Inclusiva

• Associação Portuguesa de Deficientes


16.30h - Pausa para café

17.00h - Debate

17.30h - Encerramento


Contactos: info-sede@apd.org.pt , delegacoes-sede@apd.org.pt Tel : 213 889 883

II Fórum Ibérico de Museologia da Educação

Últimos dias para inscrições no II FÓRUM IBÉRICO DE MUSEOLOGIA DA EDUCAÇÃO

Até ao próximo dia 15 de Novembro ainda é possível efectuar inscrições e propostas de comunicações para o "II FÓRUM IBÉRICO DE MUSEOLOGIA DA EDUCAÇÃO", que se realizará em Fevereiro próximo, na cidade vianense, no Auditório Professor Lima de Carvalho do Instituto Politécnico de Viana do Castelo [IPVC].

O Fórum destina-se a todos as pessoas implicadas na preservação e estudo da herança educativa, em Portugal e Espanha, investigadores, estudantes (de licenciatura, mestrado e doutoramento), a conservadores e técnicos superiores de museus, a professores de qualquer nível de ensino, a técnicos e responsáveis autárquicos dos domínios da educação e da cultura, que tenham a conservação da herança educativa e a museologia como centro de interesse, de estudo ou de preocupação.

Após a realização do I Fórum Ibérico de Museologia da Educação, Museísmo pedagóxico en España e Portugal: itinerários, experiências e perspectivas, Santiago de Compostela, Novembro de 2001 e a assinatura da Declaração de Compostela seria de esperar um desenvolvimento e reforço das acções então em curso. Porém, contextos e dificuldades diversas marcaram estes últimos oito anos, marcados por esperanças mas também por incertezas e frustrações.

É num clima de dificuldades acrescidas, em que os gastos com os bens culturais correm o risco de ser considerados supérfluos, que nos arrojamos a reiniciar o debate então encetado sobre os caminhos da museologia ibérica.

Apesar do reconhecimento e interesse social crescente pela herança educativa, o estudo e conservação dos diversos patrimónios que a constituem enfrentam dificuldades. Por esse facto o II Fórum definiu como objectivos: analisar o contexto legal que enquadra a museologia em ambos os Estados; reflectir sobre a relação entre Museologia e História da Educação e dar início a uma análise comparativa sobre o património escolar edificado. Promover a apresentação de estudos sobre aspectos da cultura material escolar; estimular a apresentação de projectos, iniciativas e experiências realizadas ou em curso, que possam servir de estímulo a outras pessoas ou entidades, são outros dos objectivos a alcançar.

Em suma, pretende-se, com a realização do II Fórum Ibérico de Museologia da Educação, criar um espaço de debate e reflexão, incentivador de iniciativas e promotor da presença dos dois países nas redes internacionais de museologia escolar.

Nesse sentido o fórum irá desenrolar-se com a temática "Herança Educativa em Portugal e Espanha: entre esperanças e incertezas - sustentado nos seguintes eixos temáticos:

1. Legislação e normativas quanto ao património da educação em Portugal e Espanha

2. Estado actual, uso e funcionalidade dos edifícios escolares custeado pelos emigrantes (Portugal e Espanha)

3. Mobiliário escolar, manuais, material didáctico e jornais escolares

4. Museologia da Educação e História da Educação: que relação?

5. Apresentação de experiências emergentes e novas iniciativas no âmbito da Herança Educativa

As Instituições Promotoras são Núcleo de Educação, História e Museologia do Centro de Investigação e Intervenção Educativas-CIIE, da Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade da UP, estando a realização a cargo do Instituto Politécnico de Viana do Castelo.

Toda a informação sobre esta iniciativa, bem como ficha de inscrição e formulário de submissão de propostas de comunicações, encontra-se disponível no site do Fórum em www.fime2009.ipvc.pt

Jogos para leitura e escrita - Aplicação prática dos jogos

A APPDA- Setúbal, ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA AS PERTURBAÇÕES DO DESENVOLVIMENTO E AUTISMO organiza o "Jogos para leitura e escrita - Aplicação prática dos jogos"

Local: Av. Cova dos Vidros, lote 2367 R/C 2975-333 Quinta do Conde.

Contactos da APPDA - Setúbal:
Telefone / Fax: 265501681, Telemóvel: 917640469, Email: appda-setubal@sapo.pt
NIB: 003507740013867853088 da Caixa Geral de Depósitos

PROGRAMA
“Jogos para leitura e escrita - Aplicação prática dos jogos”

09h30 – Recepção dos participantes

10h00 – Aplicação de jogos para treino das pré-aptidões, que estão na base da aprendizagem da leitura e da escrita (Parte I):
- Nome de letras;
- Sons de Letras;
- Sequência Alfabética;
- Segmentação Silábica;
- Reconstrução Silábica;

11h30 – Coffe Break

12h00 – Aplicação de jogos para treino das pré-aptidões, que estão na base da aprendizagem da leitura e da escrita (Parte II):
- Segmentação Fonémica;
- Reconstrução Fonémica;
- Identificação de Rimas;
- Identificação do Fonema Inicial;
- Identificação do Fonema Final;

13h00 – Pausa para almoço

14h30 – Aplicação de oito jogos para a aprendizagem e o treino das da leitura e de escrita: descodificação e codificação (Parte I)

15h30 – Intervalo

15h45 – Aplicação de oito jogos para a aprendizagem e o treino da leitura e de escrita: descodificação e codificação (Parte II)

17h30 – Encerramento

Todas as actividades apresentadas serão abordadas de forma prática em pares ou pequenos grupos. Todos os participantes poderão experimentar a aplicação das actividades, tanto no papel de mediatizador, como no papel da criança que beneficia da actividade.

Cartaz 3 de Dezembro de 2008/Dia Internacional das Pessoas com Deficiência

O Instituto Nacional para a Reabilitação, I.P. /INR, I.P. decidiu lançar o concurso “Cartaz 3 de Dezembro de 2008/Dia Internacional das Pessoas com Deficiência” no valor de 500 euros.

Este concurso tem por objectivo premiar o trabalho gráfico que melhor represente a mensagem subjacente à comemoração deste dia, nomeadamente celebrar os direitos humanos das pessoas com deficiência.

Com esta iniciativa pretende-se igualmente envolver todos os cidadãos, pelo que poderão concorrer ao concurso cidadãos, instituições públicas e privadas, escolas e estabelecimentos do ensino superior, associações da sociedade civil ou quaisquer outras entidades nacionais.

O cartaz vencedor servirá para promover a campanha relativa à comemoração, a nível nacional, do dia 3 de Dezembro de 2008/Dia Internacional das Pessoas com Deficiência.

Os trabalhos submetidos a concurso deverão ser enviados para o Instituto Nacional para a Reabilitação, I.P. situado em Lisboa até dia 1 de Julho de 2008.

Esta é uma oportunidade para todos participarmos na criação de uma sociedade que valoriza a Pessoa e respeita as Diferenças.

Regulamento

ARTIGO 1
O Instituto Nacional para a Reabilitação, I.P. (INR, I.P.) cria um concurso destinado a premiar o melhor cartaz alusivo à comemoração do dia 3 de Dezembro de 2008/Dia Internacional das Pessoas com Deficiência.

ARTIGO 2
Podem concorrer ao concurso todos os cidadãos, individual ou colectivamente, e todas as entidades públicas ou privadas nacionais, com excepção dos funcionários do INR, I.P.

ARTIGO 3
Os trabalhos apresentados deverão obedecer aos seguintes requisitos:
1. Os trabalhos deverão ter como tema “Dia 3 de Dezembro 2008/Dia Internacional das Pessoas com Deficiência”.
2. Os trabalhos deverão ser apresentados em formato A2 (42x60cm).
3. Os trabalhos submetidos a concurso têm que ser inéditos.
4. Um mesmo candidato poderá apresentar até 3 trabalhos a concurso.
5. Deverá constar no cartaz o logótipo do INR, I.P.

ARTIGO 4
Os trabalhos a concurso deverão ser entregues, em mão ou via correio registado, no Instituto Nacional para a Reabilitação, até ao dia 1 de Julho de 2008, com o seguinte endereço:
Concurso 3 de Dezembro de 2008/DIPD
Instituto Nacional para a Reabilitação, I.P.
Av. Conde de Valbom, 63
1069-178 Lisboa

ARTIGO 5
Não serão aceites trabalhos cuja data de entrega ou de carimbo dos correios seja posterior à data limite. Para efeitos da recepção dos trabalhos a concurso, o horário de funcionamento do INR, I.P. é das 9h00 às 19h00.

ARTIGO 6
1. Os trabalhos devem ser entregues embalados e devidamente selados, constando no exterior o endereço referido no artigo 4.
2. No envelope deverá constar uma cópia do trabalho em tamanho original, uma cópia em tamanho A4 e um CD com o cartaz a concurso em formato digital de alta resolução – JPG com tamanho 24X60 cm, com 300 dpi’s de resolução.
3. O concorrente deverá ainda enviar o seu contacto.

ARTIGO 7
1. Os trabalhos submetidos a concurso serão avaliados por um júri constituído por 3 pessoas a designar pela directora do INR, I.P.
2. Os membros do júri serão dados a conhecer oportunamente.
3. Os critérios de apreciação serão a criatividade, mérito artístico e adequação ao tema, mensagem.
4. A atribuição do prémio será feita conforme deliberação unânime ou maioritária dos membros do júri.
5. Da decisão do júri não haverá lugar a recurso.
6. Os resultados do concurso serão comunicados directamente aos candidatos e anunciados no site do INR, I.P./ www.inr.pt, no dia 15 de Setembro de 2008.

ARTIGO 8
O prémio do Concurso “Cartaz 3 de Dezembro de 2008/Dia Internacional das Pessoas com
Deficiência” é no montante de global de 500 euros a atribuir ao vencedor. Poderão ser ainda atribuídas menções honrosas.

ARTIGO 9
1. Os trabalhos apresentados a concurso serão propriedade do INR, I.P. e poderão ser expostos publicamente. Estes trabalhos não serão devolvidos aos seus autores, excepto se estes solicitarem expressamente a sua devolução.
2. O autor do trabalho vencedor autorizará a divulgação e utilização do trabalho premiado, de forma gratuita, em toda e qualquer actividade promovida pelo INR, I.P.

ARTIGO 10
Caberá ao INR, I.P. decidir sobre qualquer situação omissa neste regulamento.

Lisboa, 3 de Dezembro de 2007
Luísa Portugal
Directora do Instituto Nacional para a Reabilitação, I.P.

Fonte: Ler Para Ver

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Um exemplo notável...

Carta aberta para governantes, gestores e empresarios - pedido de apoio para jovem recém-doutorado com paralisia cerebral

Fernando Lobo - fernando.lobo@gmail.com - http://w3.ualg.pt/~flobo
DEEI-FCT, Universidade do Algarve
Campus de Gambelas
8005-139 Faro
27 de Outubro de 2009


O meu nome é Fernando Lobo e sou professor no Departamento de Engenharia
Electrónica e Informática da Universidade do Algarve. Escrevo esta carta aberta para
sensibilizar a sociedade portuguesa e apelar para que seja dado apoio a um jovem que tem paralisia cerebral e que concluiu o doutoramento na Universidade do Algarve. O jovem chama-se Paulo Condado. A sua tese de doutoramento é intitulada Quebra de Barreiras de Comunicação para Portadores de Paralisia Cerebral e foi defendida no dia 14/Abr/2009.

O Paulo Condado realizou um trabalho brilhante durante o doutoramento, tendo contribuído de forma signicativa para o avanço do estado da arte na àrea das acessibilidades.

Especicamente, desenvolveu um sistema informático denominado de EasyVoice (disponível gratuitamente através do endereço http://w3.ualg.pt/~pcondado/easyvoice/)
que permite que pessoas com deficiências na fala possam efectuar chamadas telefónicas
utilizando uma voz artificial gerada pelo computador. Trata-se do primeiro sistema a
nível mundial que permite a comunicação à distância usando síntese de voz. O trabalho
foi publicado nas mais conceituadas conferências mundiais na àrea de Computers
and Accessibility e foi alvo dos maiores elogios por parte de cientistas de renome internacional.

A título de exemplo, deixo um apontador para um testemunho dado por Jim
Fruchterman a propósito do EasyVoice (ver http://benetech.blogspot.com/2008/07/
austria-conference-on-access-technology.html
). O artigo que descreve a essência do EasyVoice foi publicado em 2008 na International Conference on Computers Helping People with Special Needs (ICCHP-2008) e pode ser lido em http://w3.ualg.pt/~pcondado/papers/easyvoice-icchp2008.pdf

A história de vida do Paulo Condado, bem como o trabalho de investigação que realizado no âmbito do doutoramento foi alvo de uma reportagem que passou no Jornal da SIC do dia 27 de Junho de 2007. Um excerto da reportagem pode ser visto na Internet no endereço http://videos.sapo.pt/LrQnBm8lkzyLbvGPyVDP

O sonho do Paulo Condado é poder continuar a fazer investigação na àrea das acessibilidades, contribuindo assim para a melhoria a vida de muitos deficientes. Actualmente o Paulo Condado não tem trabalho. Tenho feito tudo o que está ao meu alcance para ajudá-lo mas atá ao momento não tenho tido sucesso.

Falei com um dos Vice-Reitores da Universidade do Algarve para que fosse criado
um Gabinete de Acessibilidade dentro da Universidade cuja missão seria dar apoio e
aconselhamento aos estudantes com deficiências, bem como aconselhar os professores
em como lidar com esses alunos, indicando tecnologias de acessibilidade apropriadas
a cada caso. O Paulo Condado poderia perfeitamente trabalhar num gabinete desse
tipo, podendo conciliar essas tarefas com trabalho de investigação no campo das
acessibilidades. A resposta que obtive é que a universidade não tem verba.

Escrevi no dia 8/Maio ao Ministro do Trabalho e da Segurança Social, José Vieira da
Silva, pedindo apoio. Sugeri que o Paulo Condado poderia trabalhar para o ministério
como especialista/consultor na àrea das acessibilidades. Nessa mesma data, escrevi
também para o Presidente da UMIC | Agência para a Sociedade do Conhecimento,
pedindo apoio. Em ambos os casos não obtive qualquer resposta.

Escrevi ainda à Fundação Champalimaud há cerca de 1 mês, mas também ainda não
recebi resposta.

Recentemente, soube atravás do jornal Expresso que a Microsoft celebrou
um acordo com a Associação Salvador (http://aeiou.expresso.pt/
windows-7-candidato-a-imperador-a-merce-dos-subditos=f542865
), e que
está prevista uma colaboração estreita para promover o desenvolvimento de novas
tecnologias de reconhecimento de fala e síntese de texto. Penso que o Paulo Condado
tem o perfil ideal para trabalhar no âmbito deste projecto. Acabo de contactar quer
a Microsoft, quer a Associação Salvador, para que lhe seja dada uma oportunidade
de trabalho. Espero que desta vez o meu pedido seja bem sucedido.

Custa-me ver um jovem tão talentoso não ter oportunidade de colocar em prática os
elevados conhecimentos técnicos que possui. A única coisa que tenho conseguido arranjar para o Paulo são bolsas esporádicas ao abrigo de projectos de investigação. Tratam-se de bolsas com uma duração limitada e que não lhe garantem o mínimo de segurança para o futuro, sendo apenas uma solução de curto prazo. Para agravar a situação, a mãe do Paulo tem tido problemas de saúde graves. Esta situação vem reforçar a necessidade urgente de proporcionar ao Paulo Condado alguma estabilidade financeira.

Apesar do sonho do Paulo ser fazer uma carreira de investigação na área das acessibilidades, está disposto a trabalhar na área da informática em empresas/instituições (de preferência na região do Algarve onde tem o apoio familiar, mas não excluindo a possibilidade de ir para outros locais do país.) O Paulo Condado domina várias àreas da informática, desde a programação, bases de dados, redes de computadores, desenvolvimento de interfaces.

Poderá encontrar informação adicional sobre o Paulo em http://w3.ualg.pt/~pcondado.
O seu Curriculum Vitae está disponível em http://w3.ualg.pt/~pcondado/vitae-pcondado2009.pdf

A história do Paulo é um exemplo notável. Uma vida de sacrifício, de luta permanente
contra os preconceitos. Conseguiu andar pela primeira vez aos 5 anos. A sua mãe teve
de lutar contra ventos e marés para que o aceitassem no ensino regular. Inicialmente não o queriam aceitar, queriam mandá-lo para uma turma especial com crianças com atraso mental. Mas o Paulo nunca teve atraso mental: teve e tem apenas uma deficiência física que lhe afecta a fala e a coordenação de movimentos. Foi ultrapassando barreiras atrás de barreiras. Ainda em criança apaixonou-se pelos computadores, entusiasmado com as possibilidades que lhe proporcionavam na forma de se expressar e comunicar com o mundo que o rodeava. Conseguiu terminar a licenciatura em Informática e não parou por aí. Com o mesmo entusiasmou dedicou-se à investigação e fez um doutoramento, dando contribuições científicas que beneficiam outras pessoas na mesma condição.

Não sei se haverá mais alguém em Portugal que tenha paralisia cerebral e que tenha
conseguido realizar um doutoramento. Provavelmente é um caso único. Ainda mais nobre
é o facto de ele se ter especializado precisamente no campo das acessibilidades, uma àrea tão sensível na qual Portugal não tem praticamente especialistas doutorados.

Não consigo compreender como é que a Universidade do Algarve não aproveita uma
pessoa com estas qualidades para formar um Gabinete de Acessibilidade. Não consigo
entender também a falta de resposta por parte do Ministério para o Trabalho e Segurança Social, aparentando uma preocupante falta de interesse pelo assunto.
Gostaria de ver Portugal à altura da doutrina que apregoa. Uma doutrina socialista
onde haja protecção para os mais desfavorecidos, sobretudo que proteja aqueles que remam contra a maré e que fazem de tudo para não serem uma sobrecarga para o Estado. Portugal deve não só proteger como também publicitar pessoas como o Paulo, fazendo delas exemplo que possa inspirar outros na mesma situação.

A todos os leitores desta carta, e especialmente aos governantes, gestores e empresários de Portugal, apelo para que seja dado ao Paulo Condado aquilo que ele merece: uma oportunidade de trabalho condigna que potencialize as suas capacidades. Só assim é que outros como ele vão ver que os sacrificios e a perseverança valem a pena.

Grato pela atenção,
Fernando Lobo

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

1º Encontro Nacional de Técnicos que enquadram as pessoas com deficiência no desenvolvimento do seu processo artístico

A Associação Nacional de Arte e Criatividade de e para Pessoas com Deficiência, ANACED, Instituição Particular de Solidariedade Social que promove anualmente iniciativas de inclusão que dão visibilidade às reais potencialidades das pessoas com deficiência e que visam contribuir para o alcance de uma sociedade na qual todos se sintam respeitados e reconhecidos nas suas diferenças, organiza no próximo dia 19 de Novembro, no Auditório da Companhia Farmacêutica GlaxoSmithKline, sito na Rua Dr. António Loureiro Borges, n.º 3, Arquiparque – Miraflores, o EN’Arte – 1º Encontro Nacional de Técnicos que enquadram as pessoas com deficiência no desenvolvimento do seu processo artístico.

O objectivo é proporcionar um espaço de partilha, debate e reflexão sobre as estratégias, métodos e técnicas utilizadas pelos referidos técnicos, enquanto instrumentos para o desenvolvimento emocional, social e intelectual das pessoas com deficiência e para a visibilidade da sua criação artística junto dos diferentes públicos, tendo em vista a sua inclusão social.

Neste sentido, vimos por este meio convidá-lo (a) a participar neste Encontro, e a enriquecê-lo com o seu contributo. Para tal enviamos o Programa em anexo.
As inscrições são gratuitas e devem ser efectuadas através do preenchimento da Ficha em anexo.
As mesmas serão aceites por ordem de chegada até ao limite máximo de capacidade do auditório e só serão consideradas válidas depois de confirmadas pela organização.
Data limite para a inscrição: 9 de Novembro
Com os melhores cumprimentos,

Pela organização
Cristina Fontes

Programa:
9h00 Recepção aos Participantes e entrega de documentação

9h30 SESSÃO DE ABERTURA
Representante do Governo *
Alexandra Pimenta
Directora do Instituto Nacional para a Reabilitação
Inês d’Orey
Presidente da ANACED
Miguel Guilherme
Encenador e Actor

10h00 ABERTURA DOS TRABALHOS
PAINEL ARTES PLÁSTICAS
Daniela Lisboa Gomes
Professora de Expressão Plástica da CERCICA
Desenvolvimento e Integração na Deficiência Mental
Sílvia Maria Garcia Perloiro
Coordenadora da Oficina de Expressão Plástica da APPDA de Lisboa
Toolkit – Ferramenta de Trabalho para Pessoas com Autismo
Vítor Pi e Conchita Feijó
Coordenadores do Ligarte – Atelier de Artes Plásticas da Fundação LIGA
LIGARTE | Atelier – 15 Anos na Criatividade

11h00 INTERVALO

11h30 PAINEL TEATRO
Francisco Brás
Actor e Encenador do Grupo CRINABEL Teatro
Do Teatro da Diferença, à Diferença do Teatro
PAINEL MÚSICA
Paulo Ramos Jacob
Professor e Musicoterapeuta na APCC
A Intervenção Musical na APCC
Zélia Marques, Miguel Cruz e Tiago Soares
Professores e Técnico de Música da CERCIAG
ZABUMBAR
PAINEL DANÇA
Sara Espírito Santo e Ana Isabel Dias
Técnicas Responsáveis pelo Grupo de Dança Inclusiva Korpus da Cooperativa de S. Pedro
Residências Artísticas Korpus 2009
Rafael Alvarez e Carla Ribeiro
Coordenador Artístico e Professora de Dança Inclusiva do Plural | Núcleo de Dança
Contemporânea – Fundação Liga
Identidade e Criação Artística

13h00 ALMOÇO LIVRE

14h30 GRUPO DE TRABALHO 1 | ARTES PLÁSTICAS
Moderador: Leonor Coutinho
Artista Plástica
GRUPO DE TRABALHO 2 | DANÇA
Moderador: Inês d’ Orey
Presidente da ANACED e Mestre em Relações Interculturais
GRUPO DE TRABALHO 3 | MÚSICA
Moderador: Ana Teresa Nascimento
Professora Doutora em Educação Especial
GRUPO DE TRABALHO 4 | TEATRO
Moderador: Adalberto Fernandes
Técnico Superior do Instituto Nacional para a Reabilitação

16h30 APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS DOS GRUPOS DE TRABALHO
DEBATE

18h00 ENCERRAMENTO DO ENCONTRO

Mais informação:
Telefone 213636836
E-mail anaced@net.sapo.pt

Tese de mestrado - Os Museus e a Web 2.0

Título: Os museus e a Web 2.0 : os sítios Web dos museus portugueses
Autor: Pedro, Alexandra Raquel Fernandes
Orientador: Santos, Leonel Duarte dos
Data: 28-Jul-2009
Resumo: Na actual sociedade da informação, a Internet tem-se afirmado enquanto ferramenta de comunicação e fonte de informação, tornando importante que as mais variadas instituições marquem presença neste mundo digital online. Neste contexto, as ferramentas da Web 2.0 têm merecido destaque, pois vieram dar ao utilizador um papel mais participativo. Também os museus têm vindo a adoptar estas ferramentas na sua relação com os públicos, sendo importante o conhecimento da realidade nacional. Assim, o presente trabalho de investigação teve por objectivos a determinação tanto dos conteúdos disponibilizados pelos museus portugueses nos seus sítios Web, como das ferramentas da Web 2. O que estes utilizam no desenvolvimento das suas actividades. Neste sentido, foi elaborada uma grelha de análise mediante a qual foram analisados 72 sítios Web de museus pertencentes à Rede Portuguesa de Museus. Esta grelha de análise integra três dimensões: identificação do museu, caracterização geral de conteúdos, ferramentas Web2.0. No que respeita aos conteúdos disponibilizados nos sítios Web de museus analisados, pudemos concluir que estes oferecem sobretudo informação logística, de apresentação do museu, sobre colecções, exposições físicas e trabalho do serviço educativo, sendo a forma de comunicação privilegiada em termos de Internet a que é realizada via correio electrónico. Em relação à Web 2. O e à utilização das suas ferramentas por parte dos museus nacionais analisados, pudemos averiguar que esta está, ainda, numa fase inicial. A ferramenta mais usada é o blogue. Foram, também, identificados projectos pioneiros ao nível dos wikis, Licenças Creative Commons, Youtube, Flickr e redes sociais online. Com vista à identificação de boas práticas internacionais ao nível do uso das aplicações e serviços da Web 2.0 foram estudados 20 sítios Web de museus estrangeiros e aplicada a grelha de análise apenas na dimensão respeitante às ferramentas da Web 2.0, tendo sido seleccionados os 5 melhores para análise detalhada neste trabalho. Entre estes destaca-se o Brooklyn Museum. Os serviços e aplicações da Web 2. O podem constituir instrumentos de trabalho muito positivos para a actividade museológica nacional, ajudando os museus a cumprirem as suas funções e objectivos e a aproximarem-se dos mais variados públicos não só onsite mas sobretudo online.

Para aceder à tese clique aqui!

Tese de mestrado - O museu na era da comunicação online

Título: O museu na era da comunicação online
Autor: Andrade, Juliana Filipa Dias
Orientador: Pires, Helena
Data: 16-Jul-2008
Resumo: O presente trabalho de investigação tem como objectivo reflectir sobre o uso das novas tecnologias, nomeadamente da Internet, por parte dos museus, na promoção de bens e actividades junto de públicos específicos. A facilidade de distribuição e acesso a informações via Internet e a possibilidade de interacção, transformam-na numa autêntica ferramenta de comunicação. No final da problematização propomo-nos apresentar um estudo de caso sobre o Museu Nogueira da Silva, procurando ilustrar as respectivas estratégias de gestão de identidade organizacional, bem como as suas estratégias comunicacionais. Este museu tem, igualmente, procurado utilizar a Internet na comunicação com os seus públicos. Este trabalho é fruto de uma pesquisa assente sobretudo em leituras exploratórias, que visam diferentes áreas. Esta investigação recomenda a continuação de outras pesquisas, assim como a elaboração de um modelo, que procure analisar as estratégias de comunicação via Internet, desenvolvidas pelos museus.

Para aceder à tese clique aqui!

Tese de Mestrado - Serviços educativos online nos museus : análise das actividades

Título: Serviços educativos online nos museus : análise das actividades
Autor: Barbosa, Sandra Daniela Ferreira
Orientador: Carvalho, Ana Amélia Amorim
Data: 23-Nov-2006
Resumo: O presente trabalho de investigação teve como objectivo analisar as actividades dos serviços educativos nos sites dos museus portugueses. Estas actividades podem funcionar como uma vertente educacional, uma forma lúdica ou informal de aprendizagem dos conteúdos do museu, uma forma de preparação da visita ao museu ou, posteriormente, na sala de aula como prolongamento da actividade iniciada na visita ao museu in loco. Para a análise dos sites foi concebida uma Grelha de Análise das Actividades Online dos Serviços Educativos nos Museus. Esta grelha integra seis dimensões: Identificação do Museu, Informação Geral, Tipos de Actividades, Funcionalidades, Descrição Temática e Gráfica das Actividades e Apoio ao Utilizador. Cada uma das dimensões inclui subdimensões, totalizando 73 itens. Este instrumento foi avaliado por especialistas. A amostra integrou 115 sites de museus. Da análise realizada, verificámos que pouca informação é disponibilizada, não se tirando partido das potencialidades do museu online, limitando-se o site à informação básica de apresentação institucional. Constatou-se que só surgem Actividades em cinco museus online. As Funcionalidades disponíveis nos serviços educativos são poucas, incidindo sobre a análise de peças e sobre a apresentação de documentação informativa para professores/educadores. À excepção de um caso, todas as actividades online estão directamente ligadas com a temática do Museu em análise. As temáticas inserem-se nas artes decorativas, história religiosa, metrologia (instrumentos de medição) e astronomia. No que concerne ao aspecto Gráfico dos sites analisados (n=115) verificou-se que a grande maioria dos sites apresenta fundo com cor (97%) em detrimento de padrão, 74% dos sites usa caracteres sem serifa e 42% dos sites apresenta o espaçamento entre os parágrafos superior ao das linhas, o que facilita a leitura. O Apoio ao Utilizador só apareceu em 17% dos sites.

Para aceder à tese, clique aqui!

Necessidades de acessibilidade e design for all no turismo para todos

A Proasolutions.pt Lda (consultora em Acessibilidade e Desenho para Todos), em parceria com a Câmara Municipal da Lousã, a Provedoria das Pessoas com Incapacidade da Lousã e a Design for All Foundation encontra-se a organizar a CONFERÊNCIA INTERNACIONAL - NECESSIDADES DE ACESSIBILIDADE E DESIGN FOR ALL NO TURISMO PARA TODOS, a realizar-se nos dias 19 e 20 de Novembro no Hotel Meliá Palácio da Lousã.

Contamos com a participação de conferencistas nacionais e internacionais de renome, peritos nesta área temática.

Por se tratar de um tema transversal, nos âmbitos de Turismo, Espaço Público, Edificações, Transportes e Mobilidade, Planeamento urbano, Saúde, Tecnologias, Comunicação e Informação, Educação e Formação, etc., queremos estender o presente convite a todos.

Gostariamos, portanto, de convidá-los a assistir ao evento e solicitamos que transmitam e divulguem, pelas vias que lhes são próprias, a informação relativa ao evento.

A inscrição no evento é totalmente gratuita. Fica ao encargo dos interessados apenas os seus gastos pessoais ao nível de deslocação, refeições e alojamento. Os interessados devem preencher o formulário e enviar para o email: tourismforall@gmail.com com a maior brevidade possível.

A realização da Conferência “NECESSIDADES DE ACESSIBILIDADE E DESIGN FOR ALL NO TURISMO PARA TODOS”, organizada pela ProAsolutions, em parceria com a Câmara Municipal da Lousã, a Provedoria Municipal das Pessoas com Incapacidade da Lousã e a Design for All Foundation, nos próximos dias 19 e 20 de Novembro, tem em vista
apresentar as vantagens económicas e sociais da aposta no Turismo Para Todos e quais os caminhos a percorrer pelos vários agentes, públicos e privados,para atingir o objectivo de uma sociedade mais inclusiva. Aos agentes públicos é importante dar a conhecer as ferramentas de gestão do espaço público ao nível da melhoria da acessibilidade para todos. Aos empresários é fundamental demonstrar as vantagens
inerentes a uma aposta num mercado em que há ainda uma enorme margem de progressão ao nível da satisfação da procura, sendo a existência de uma concertação de esforços fundamental, no sentido de uma melhoria integrada da acessibilidade do espaço
público e dos serviços turísticos. Estarão presentes neste evento alguns dos mais
consagrados peritos nacionais e internacionais, que apresentarão algumas das melhores práticas implementadas na Europa nas temáticas da Acessibilidade, Design for All e Turismo para Todos.
O objectivo deste evento é, portanto, elucidar para o facto de que o Turismo para Todos é, para além de uma obrigação social, um poderoso factor de competitividade conómica, contribuindo para o aumento da qualidade do sector, aumentando o nível de satisfação de todos os turistas, quer tenham ou não mobilidade condicionada.
Assim, apresenta-se como um factor fundamental no fortalecimento do sector turístico.
A temática da Acessibilidade é transversal a todas as áreas da sociedade, nomeadamente os municípios, no que diz respeito à gestão do espaço e edifícios públicos, e as empresas do sector turístico,considerando as instalações e serviços, o que implica não apenas projectos de construção mas também meios de transporte, sistemas de comunicação, informação e serviços.
Aprofundar o conhecimento das necessidades dos turistas com necessidades especiais (incluindo o turismo sénior), contribuirá para uma efectiva igualdade de oportunidades para estas pessoas que, muitas vezes, vêem negados os seus legítimos direitos ao lazer, por ausência de condições mínimas de acessibilidade à cadeia de serviços turísticos.
A exigência de qualidade e de conforto pressupõe total acessibilidade, o que implica o reconhecimento, por parte do mercado, do que as pessoas com mobilidade
condicionada e seus familiares representam. A concepção de um modelo, que englobe as exigências do “Turismo para Todos” num quadro de qualidade, é um passo importante para tornar possível o acesso às actividades turísticas. Desta forma, não constituindo isso um custo, mas sim um investimento, as vantagens
são facilmente visíveis e rentáveis a curto prazo.
O potencial do mercado de turismo acessível com cerca de 134 milhões de potenciais clientes (cerca de 27% da população da União Europeia), com receitas
potenciais estimadas em cerca de 83 mil milhões de euros por ano, se apenas considerarmos viajantes europeus. Se considerarmos pessoas com deficiência,
pessoas idosas, grávidas, casais com crianças, torna-se claro que entre 30% a 40% de todos os europeus podem beneficiar em grande medida de melhorias de
acessibilidade ao turismo. (ENAT, 2007).
O Design for All é uma abordagem cujo objectivo é o (re-)desenho do meio construído, dos produtos e serviços, de forma que todas as pessoas possam participar em igualdade na vida da comunidade (Aragall, EuCAN 2003, p.22). Esta filosofia de
planeamento é a que serve de base ao conceito de Turismo para Todos.

Mais info:
ProASolutions.pt
Rua do Passeio Alegre, Nº20 Sala 4.5
4150 -570 Porto
proasolutions.pt@gmail.com
tel.+351.220.145.622 +351.220.108.024

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Câmara de Leiria recebe Bandeira de Ouro da Mobilidade


A câmara de Leiria voltou a receber, pelo segundo ano consecutivo, a Bandeira de Ouro da Mobilidade pela "eliminação das barreiras urbanísticas na área de intervenção".
O galardão foi entregue pela Appla - Associação Portuguesa de Planeadores do Território - que "congratula" o município leiriense pelo trabalho desenvolvido na sequência da sua adesão à Rede Nacional de Cidades e Vilas com Mobilidade para Todos.
Desde a adesão à rede, foram realizadas intervenções ao nível da correcção de várias barreiras, nomeadamente com o rebaixamento de passadeiras, redimensionamento dos passeios, construção de passadeiras niveladas, regularização dos pavimentos, relocalização de sinalética e candeeiros e controlo do estacionamento abusivo, faz saber a autarquia numa nota informativa.
"Leiria já evidencia, desde a sua adesão à rede, exemplos de requalificação do espaço público, eliminando barreiras que, de forma generalizada, se espalhavam pela cidade", lê-se no relatório da Appla, divulgado pela câmara de Leiria, que destaca o trabalho autárquica "sem, contudo, se afastar da sua identidade paisagística e urbana".
No relatório, a Appla destaca ainda "a utilização dos materiais que, ao longo dos tempos, foram acompanhando a história deste local, mas, simultaneamente, introduzindo-lhe sinais claros de contemporaniedade".
Na nota informativa, o município adianta que, para além da eliminação dos obstáculos diagnosticados na área de adesão, "tem vindo a desenvolver projectos de desenho urbano e gestão de tráfego e tem complementado as indicações do projecto da Rede", nomeadamente a criação de um grupo interdepartamental, reuniões de trabalho com as associações de pessoas portadoras de deficiência (Associação Portuguesa de Deficientes e ACAPO - Associação de Cegos e Amblíopes de Portugal), participação em conferências e palestras relacionadas com a mobilidade e outros projectos de requalificação do espaço público.
Em 2008, a câmara leiriense tinha sido igualmente galardoada, "pela materialização de um conjunto de medidas e recomendações que tiveram um impacto positivo na melhoria das acessibilidades e na mobilidade dos cidadãos na cidade de Leiria", pode ler-se na nota informativa.

Fonte: Diário de Leiria

Bookmark and Share

Fechar os olhos e experimentar

A Associação dos Cegos e Amblíopes de Portugal (ACAPO) assinalou os seus 20 anos de existência realizando em Lisboa actividades que desafiaram quem vê a viver o quotidiano dos invisuais.

Esta iniciativa teve lugar no Centro Comercial Colombo entre as 10h00 e as 22h00 e visou dar a conhecer a missão da associação, permitindo a todos vivenciar varias componentes quotidianas da vida de uma cego.

Uma das actividades foi um workshops sobre o Alfabeto Braille, onde os participantes escreveram o seu nome em Braille num postal que levaram para casa.

No Espaço dedicado às Novas Tecnologias e Emprego esteve disponível um computador e telefone com software de voz, teclado amplificado, onde as pessoas poderão testar a acessibilidade das páginas Web e até navegar na internet com os olhos vendados.

O objectivo, segundo a associação, foi conseguir que o visitante perceba que, com ajudas técnicas, a pessoa com deficiência visual pode estudar e trabalhar.

Fechar os olhos e experimentar

"Quisemos assinalar a data demonstrando à população que actividades e serviços a ACAPO disponibiliza e ao mesmo tempo convidar as pessoas a "fecharem os olhos" e vivenciarem algumas experiências, como por exemplo aceder a uma página de Internet sem verem o teclado do seu computador", explicou Carlos Lopes, presidente da ACAPO.

No Espaço de Estimulação Sensorial e Acessibilidade, o visitante, de olhos vendados, pode "arrumar" na despensa vários produtos (frascos, embalagens, etc), pintar desenhos em alto-relevo, adivinhar alimentos e objectos através do tacto e do olfacto ou reconhecer notas e moedas em circulação.

Entre as 18h00 e as 19h00 foi a hora do conto. Daniela Santiago, jornalista da RTP, é a autora do livro "O Caramelo da Leonor", lançado em Setembro, com a particularidade de ter uma versão em Braille. O conto foi lido pela autora e por uma criança cega.

Fonte: Expresso


Bookmark and Share

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Visitas cantadas no Museu do Fado



Durante o mês de Outubro o Museu promove Visitas Cantadas ao seu circuito expositivo com a participação especial de Ricardo Ribeiro e Ana Sofia Varela que interpretarão temas do repertório de Amália Rodrigues.

Dias 3, 17 e 24 - Ana Sofia Varela

Dias 4, 18 e 25 - Ricardo Ribeiro

Dias 10 e 11 - Pedro Galveias

Museu do Fado, 17h00, mediante marcação prévia

Fonte: Museu do Fado

Bookmark and Share

Fundação de Serralves mais acessível


A Fundação de Serralves passará a disponibilizar equipamentos informáticos que permitem que o público cego ou com baixa visão aceda à colecção de obras de arte contemporânea de Serralves.

Fonte: PPorto dos Museus

Bookmark and Share

Campanha “Um olhar por quem não vê”

A campanha “Um olhar por quem não vê” marcou as comemorações do Dia Mundial da Bengala Branca, assinalado a 15 de Outubro, no Algarve.

A campanha da delegação do Algarve da Associação dos Cegos e Amblíopes de Portugal (ACAPO) visou angariar fundos para a instituição e sensibilizar a sociedade civil para a problemática da deficiência visual, ao nível de acessibilidades e do ponto de vista da integração socioprofissional desta população.

As actividades agendadas para dia 15 de Outubro decorreram em Faro e incluiram, no Museu Municipal, a exposição e demonstração de ajudas técnicas para a deficiência visual (10h00), uma sessão de esclarecimento sobre a mobilidade das pessoas com deficiência visual (15h00), a apresentação da campanha de angariação de fundos “Um olhar por quem não vê” (15h45) e o “Percurso dos sentidos” (16h30), onde pessoas com visão serão ‘cegas’ por uns minutos ao experimentarem a utilização de uma bengala branca, num percurso entre o museu e a Câmara Municipal.

À noite, o Auditório da Fundação Pedro Ruivo recebeu, a partir das 21h30, um espectáculo de música e poesia, organizado pelo Lions Clube, cujo valor do bilhete de entrada (5 euros) reverteu a favor da ACAPO.

Fonte: Observatório do Algarve

Bookmark and Share

Póvoa de Lanhoso: descobrir as plantas pelo cheiro


(Fotografia: Neptuna)

Sentir o cheiro e descobrir as diversas plantas aromáticas e medicinais através do toque foi a proposta do Centro de Interpretação do Carvalho de Calvos para assinalar o Dia Mundial da Bengala Branca.

Alfazema, erva-príncipe, alecrim, caril, tomilho, absinto, cidreira, hipericão e coentros, foram algumas das ervas estudadas pelos cerca de 20 utentes da Associação de Apoio aos Deficientes Visuais do Distrito de Braga (AADVDB), com sede na Póvoa de Lanhoso, a quem se dirigiu a actividade.

A ‘oficina dos sentidos’ teve como principal objectivo dar a conhecer aos invisuais as diferenças entre as várias plantas existentes na bordadura do centro. Para isso, “tentamos ao máximo que os invisuais utilizassem todos os sentidos nesta actividade, dando-lhes a conhecer as propriedades de cada uma das plantas, que são muito mais do que os próprios cheiros, toque e paladar”, disse aos jornalistas Melissa Costa, responsável pelo centro.

A jornada, que se insere no programa anual de actividades do Centro do Carvalho de Cal-vos, culminou, à tarde, com a criação de saquinhos de cheiro, onde foram servidas infusões de ervas para que os invisuais pudessem sentir o paladar das plantas que tocaram e sentiram durante a visita ao centro de interpretação.

A iniciativa teve um impacto “muito positivo, não só para os participantes como para os próprios técnicos”, acrescentou a responsável, afirmando que “de agora em diante vamos olhar para as plantas de outra forma porque apercebemo-nos de pormenores que eles (cegos) nos deram a conhecer, através da sua própria experiência”.

Em resultado das muitas perguntas levantadas pelos invisuais chegou-se à conclusão de que “andamos muitas vezes à procura de medicamentos nas farmácias quando podemos ter a solução à porta de casa”.

É objectivo do centro fazer chegar a ‘oficina dos sentidos’ aos restantes utentes da associação de deficientes visuais.

Fonte: Correio do Minho

Bookmark and Share

Exposição de fotografia em relevo para invisuais


Uma exposição de fotografia dirigida a pessoas invisuais parece ser uma brincadeira de mau gosto. Mas está bem longe de o ser.
A mostra «Fotografia em Relevo», de Paulo Abrantes, foi especialmente criada para este público e pode ser visitada no edifício da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Algarve (CCDRA) até ao dia 29 de Outubro.

O fotógrafo usou uma técnica que assenta em imagens a preto e branco e recorre a um papel especial que adquire relevo ao ser impresso. O preto corresponde às zonas com maior relevo e o branco à ausência deste, com os cinzentos a adquirir alturas diferentes, conforme a sua intensidade. A legenda da fotografia também está inscrita em Braille.

A iniciativa foi lançada no Dia Mundial da Visão, que se celebra a 8 de Outubro. Numa sessão muito participada, já que foram muitos os alunos da Universidade do Algarve presentes, Paulo Abrantes, que já há cerca de seis anos se dedica a projectos nesta área, foi muito crítico no seu discurso.

Segundo o fotógrafo, quando revelou a sua ideia ao mundo, apenas foi incentivado a avançar pela Acapo- Associação dos Cegos e Amblíopes de Portugal. «Se não fosse a Acapo, nada disto existia», garantiu.

Paulo Abrantes, ainda que sem lançar nomes, disse que, quando deu a conhecer a ideia, não viu «grande entusiasmo das pessoas ligadas à fotografia, arte e cultura», nem «por parte das entidades».

Mais tarde, acabou por encontrar um entusiasta no comissário de Coimbra Capital da Cultura 2003, que lhe abriu as portas do evento. Esteve também na Faro Capital da Cultura, em 2005, com a sua mostra «Luz Táctil».

O facto de, por ocasião da inauguração desta exposição, estarem juntos na mesma sala os responsáveis pelo Governo Civil, pelas direcções regionais de Educação e de Cultura e pela Administração Regional de Saúde do Algarve (ARSA), esta última a organizadora do evento, significa, para Paulo Abrantes, «que algo já mudou no Algarve».

O artista vê as exposições que promove nesta área, que já o levaram a Espanha e ao Brasil, como «uma oportunidade de juntar as pessoas e aproximar a sociedade em geral dos que vivem directamente os problemas da visão e da cegueira».

Ricardo Martins, dirigente da Acapo a nível regional, também partilha desta visão. Até porque considera que a associação que representa, «além do dever de reabilitação e integração profissional e social» que tem para com os seus associados, também tem interesse «em estar junto da sociedade em geral».

«É neste tipo de iniciativa que a palavra inclusão está escrita com todas as letras e das quais nos sentimos orgulhosos», revelou.

«Eu já vi, em tempos, pelo que tenho noção da imagem. Mas para os que nunca viram, esta é uma experiência que certamente lhes ficará marcada na memória. Será uma oportunidade única para muitos deles», considerou Ricardo Martins.

O presidente da ARSA Rui Lourenço frisou ainda que o entendimento da entidade que dirige, em termos de saúde, «é mais lato do que a maioria das pessoas pensa».

«A saúde é também um recurso para o desenvolvimento pessoal e bem-estar da comunidade», considerou.

hugo rodrigues


Fonte: Ler Para Ver

Bookmark and Share